Quinta-Feira, 13 de Dezembro de 2018

5/12/2018 - Sorocaba - SP

Saúde reúne 95 pessoas em evento sobre violência doméstica




da assessoria de imprensa da Prefeitura de Sorocaba

A Secretaria de Saúde (SES), por meio do Núcleo de Atenção à Saúde da Família (NASF) Norte, realizou no dia 29 de novembro, um evento sobre a violência doméstica. O evento reuniu 95 pessoas na Escola Municipal “Profª Inês Rodrigues Cesarotti” em alusão ao Dia Internacional da Não – Violência Contra a Mulher (25 de novembro).

A programação surgiu como desdobramento da territorialização e diagnóstico situacional realizado na área de abrangência da Unidade Básica de Saúde (UBS) Vitória Régia, que possui o Programa Estratégia Saúde da Família (ESF). Foi constatado um número alarmante de casos de violência doméstica contra a mulher.

O evento reuniu pessoas, incluindo participantes de outras cidades, como Araçariguama, Araçoiaba da Serra, Boituva, Itu e Votorantim. A realização também contou com a contribuição de palestrantes convidados: Ana Miragaia (Coordenadoria da Mulher), Nelson José Barnabé Junior (Vigilância Socioassistencial) e Christiane Loschiavo (Presidente da ONG Não Posso Me Calar – Itu/SP).

As discussões trouxeram dados estatísticos de violência doméstica do município, bem como o fluxo de proteção da rede de serviços para as mulheres que se encontram nessa situação. Além disso, o relato de vida da presidente da ONG Não Posso Me Calar, Christiane Loschiavo, que foi vítima de violência doméstica e transformou a sua dor em causa.

Foi realizado também um diálogo da saúde sobre o assunto, abordando detalhes da Lei Maria da Penha, incluindo relatos de experiências profissionais, bem como as consequências para a saúde da mulher. Durante o evento foi realizado o teste rápido para Sífilis e HIV.

Segundo a assistente social da Prefeitura de Sorocaba, Tânia de Lourdes Raizaro Puga, a violência contra a mulher é um fenômeno complexo. “Falar sobre o assunto, por mais difícil que seja, ajuda na identificação das situações, no fortalecimento da mulher e na busca de soluções que extrapolem o âmbito privado e informal da questão”, explica. Ainda de acordo com Tânia, a mulher que sofre violência muitas vezes tem dificuldade de identificar essa situação, busca resposta em si mesma, se culpando e relutando em levar esse assunto a público. “A reação de cada mulher é única e pode ser encarada como mecanismo de sobrevivência. Os profissionais, especialmente os de Saúde, podem colaborar na identificação dessas situações”, completa.



Comunicar erro nesta notícia

Se você encontrou erro nesta notícia, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente ao Sorocaba Fácil.


Enviar esta notícia por email



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.