Segunda-Feira, 17 de Junho de 2019

12/4/2011 - Sorocaba - SP

CPI do Empréstimo - Câmara ouve primeiros convocados




da assessoria de imprensa da câmara de Sorocaba

Denunciantes da Prefeitura ao Ministério Público e à Câmara responderam aos questionamentos dos vereadores. Próxima reunião acontece na segunda, 18

Os integrantes da CPI do Empréstimo ouviram na manhã desta segunda-feira, 11 no plenário da Câmara, os primeiros convocados, os cidadãos Eilovir José Brito e Marco Antônio Portella Defácio.

Participaram da reunião o presidente da CPI José Francisco Martinez (PSDB), o relator Helio Godoy (PTB) e os membros Anselmo Neto (PP), Cláudio do Sorocaba I (PR), José Crespo (DEM), Ditão Oleriano (PMN), Francisco França (PT), Irineu Toledo (PRB) e Rozendo de Oliveira (PV).

O presidente da CPI informou que o Ministério Público arquivou o inquérito civil e que 98% dos funcionários envolvidos quitaram o empréstimo, sendo que os 2% restantes estão inscritos à dívida ativa. “O ressarcimento aos cofres públicos foi alcançado”, disse. O relator, Helio Godoy, pediu que a prefeitura encaminhe os números através de ofício.

Ao final, os membros decidiram que na próxima reunião, marcada para segunda-feira, 18, serão ouvidos a ex-presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sorocaba, Maria Winnifred, e o jornalista Pedro Guerra.

Depoimentos - Após o juramento, Portella, que denunciou a Prefeitura junto ao Tribunal de Contas, iniciou falando sobre o produto vendido aos servidores e que gerou a dívida assumida pelo Poder Público.

Correspondente bancário à época, Portella informou que prestava serviço ao banco BNL com a função de oferecer o cartão de crédito e débito (distribuído gratuitamente) aos funcionários da prefeitura, SAAE e Urbes. O depoente explicou que o limite era o mesmo do salário de cada servidor, sendo que até 10% era descontado em folha e o restante cobrado através de boleto. Segundo ele, os juros do cartão eram até 50% menores que o cobrado pelo mercado. “Era um benefício ao funcionário, desde que soubesse usar”, disse.

Portella informou que em 2001 o uso do cartão chegou a ser suspenso por descontrole dos funcionários. Em 22 de novembro de 2004 o convênio com o BNL foi cancelado e a partir de fevereiro de 2005, já no mandato de Vitor Lippi (PSDB), deixou de ser descontado em folha.  

Segundo Portella, o prefeito foi orientado pelo secretário jurídico da Prefeitura e pela consultoria Conam a dar continuidade aos descontos. “Baseado nos pareceres tinha consciência de retomar o desconto. A prefeitura não tinha obrigação de pagar e sim de reter do funcionário o que ele havia autorizado e repassar ao banco”, opinou.

O depoente disse que, com anuência do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais, chegou a ser fechado um acordo entre a prefeitura e o banco prevendo o pagamento pelos funcionários com benefícios como desconto e isenção e multa, mas que através de pedido do sindicato, foi suspenso. Para ele, tratava-se de “bandeira política” de Serginho Poncianno, então pré-candidato a presidência do SSPM.

Martinez quis saber por que o denunciante entrou com a representação junto ao Ministério Público ao invés de entrar com uma ação popular. Segundo ele, pela dificuldade em conseguir um advogado para assinar a ação contra a Prefeitura. “A idéia partiu de mim, socorrido por um amigo advogado que me aconselhou”, disse.

Os vereadores Godoy, Neto França e Irineu Toledo, questionaram o tipo de contrato que Portella mantinha com o banco, se teve prejuízo com o fim dos empréstimos, se isso o motivou a entrar com a ação e quanto faturou na época com a venda dos produtos. Em resposta disse que tinha participação no faturamento, mas, que na quitação total do débito pela Prefeitura “não recebeu nada e que não receberia se houvesse o acordo”.

Em seguida, Eilovir José Brito, que abriu mão dos 15 minutos iniciais para sua explanação, respondeu as perguntas dos vereadores. O depoente entregou ao presidente a cópia de uma entrevista do promotor Orlando Bastos e do prefeito Vitor Lippi a Rádio Cruzeiro.  



Comunicar erro nesta notícia

Se você encontrou erro nesta notícia, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente ao Sorocaba Fácil.


Enviar esta notícia por email

Imóveis em Sorocaba

Apartamentos

Áreas Industriais

Casas

Chácaras

Comercial

Condominios

Fazendas

Haras

Sítios

Terrenos

Anuncie seu Imóvel

O mercado de Aluguel de louças e acessórios aumentou (e ficou ainda mais qualificado) de uns anos para cá. Um exemplo? Outro dia estava organizando uma lista de peças que precisariam ser alugadas (Aluguel de louças para festas) para um festa

Quando se pensa na realização de um evento social, seja ele uma festa familiar ou uma recepção empresarial,Aluguel de louças, a preocupação com a aquisição dos pratos, talheres e outros equipamentos a serem usados é grande. Além de consumir bastante tempo, o custo e a logística de obtenção dos mesmos é significativa.

O mercado de Aluguel de louças em São Paulo aumentou (e ficou ainda mais qualificado) de uns anos para cá. Um exemplo? Outro dia estava organizando uma lista de materiais que precisariam ser alugadas (Aluguel de louças para festas em São Paulo) para um festa



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.