Quarta-Feira, 13 de Dezembro de 2017

16/12/2010 - Sorocaba - SP

Campanha busca acabar com sacolas plásticas em supermercados




da assessoria de imprensa da câmara de Sorocaba

Campanha “Vamos Tirar o Planeta do Sufoco”, foi apresentada em audiência convocada por iniciativa do vereador João Donizeti (PSDB) - autor da lei que obriga os hipermercados a substituírem as sacolas plásticas por embalagens sustentáveis

Em audiência proposta pelo vereador João Donizeti Silvestre (PSDB) e realizada na Câmara Municipal de Sorocaba na manhã desta quarta-feira (15), foi apresentada à população a Campanha “Vamos Tirar o Planeta do Sufoco” — que tem como objetivo acabar com o consumo de sacolas plásticas em supermercados. À exemplo do que já acontece em Jundiaí, a campanha deverá ser desenvolvida em Sorocaba pela Apas (Associação Paulista de Supermercados) em parceria com o poder público e a participação da sociedade organizada.

Além de João Donizeti e dos vereadores Marinho Marte (PPS), Rozendo Oliveira (PV) e Anselmo Neto (PP), participaram da reunião a secretária do Meio Ambiente, Jussara de Lima Carvalho, o diretor do Procon, Helio Rosa Baudy Filho e o vice-presidente da Apas, Edivaldo Bronseri, além de outros membros da associação, proprietários e representantes de supermercados, da Associação Comercial, de ONGs e do Comdema (Conselho Municipal do Meio Ambiente).

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, são utilizadas mensalmente 60 sacolas por habitante, o que em Sorocaba representa mais de 30 milhões ao mês, sendo que um percentual muito pequeno vai para os aterros sanitários e a maioria se perde no caminho indo parar em bueiros, o que é muito impactante para o meio ambiente”, iniciou Donizeti.

Sobre a Lei 9.265, de sua autoria e que obriga os hipermercados a oferecerem aos clientes sacolas retornáveis ou embalagens biodegradáveis, o vereador afirmou que deverá ser reformulada. “A intenção é que nossa lei seja aplicada, mas, acima de tudo, que seja alterada a partir da discussão com a sociedade civil, para que não seja uma letra morta”, disse.

A secretária do Meio Ambiente parabenizou o vereador João Donizeti e afirmou que é de interesse da prefeitura trabalhar de forma integrada na formatação de conceitos e busca de soluções. “Estamos aqui para conhecer o projeto da Apas, implantado em Jundiaí. Hoje é uma das etapas desse processo. A partir da apresentação, nosso trabalho continua para que possamos definir um modelo para Sorocaba”, disse Jussara que reafirmou a preocupação e o compromisso da Sema com a sustentabilidade sócio-ambiental.

Modelo de Jundiaí — O vice-presidente da Apas, Edivaldo Bronzeri, apresentou o projeto lançado em Jundiaí há três meses, onde a entidade estima que 66 milhões de sacolas plásticas deixaram de ser utilizadas, o que representa 240 toneladas de plásticos a menos no aterro sanitário do município. Pertencente hoje à Apas, o projeto piloto para banir o uso de sacolas plásticas foi discutido por um ano e meio antes de ser lançado oficialmente na ECO Jundiaí 2010.

O modelo de Jundiaí servirá de molde para a implantação da campanha em Sorocaba, que deverá ser adequada à realidade local. Na cidade de Jundiaí, o projeto acabou com a distribuição de sacolas plásticas em supermercados, que passaram a vender sacolas biodegradáveis padronizadas a preço de custo (19 centavos a unidade), além de estimular o uso de sacolas retornáveis, caixas de papelão, carrinhos de feira e cestas. Para isso, os supermercadistas assinaram um termo de compromisso. Antes do lançamento, foi desenvolvido um plano de mídia, pago pelos associados, para informar o consumidor que em não haveria mais distribuição de sacolas plásticas.

A Campanha “Vamos Tirar o Planeta do Sufoco” – em implantação também na cidade de Monte Mor – conquistou inicialmente em Jundiaí 95% do setor, além do apoio dos órgãos públicos, inclusive com o envolvimento da Secretaria de Educação. Segundo o vice-presidente, trata-se de um projeto de conscientização. “O consumidor entendeu a real necessidade e o quanto é importante a contribuição deles para o sucesso da campanha”, disse.

O projeto da Apas tem duração de um ano, com avaliações no quinto e décimo mês. De acordo com a associação, em Jundiaí, desde o lançamento, foram registradas apenas três reclamações no Procon e no período foram vendidas 10% de sacolas biodegradáveis em relação às de plástico que eram utilizadas.

Edivaldo Bronzeri apresentou o material da campanha, incluindo mídia e produtos à venda, os custos e o termo de cooperação. 

Venda de embalagens - O diretor do Procon Sorocaba, num primeiro momento, se colocou contrário ao repasse financeiro ao consumidor com o fim da distribuição de sacolas e disse que vai procurar a Fundação Procon para saber qual a posição do órgão em relação à questão. Também foram questionados pelo Procon, o monopólio de produto e tabelamento de preço, além da falta de garantias e de informações aos clientes.

Segundo o vice-presidente da Apas, em nenhum momento o Procon de Jundiaí assinou o termo de compromisso, apenas orientou a associação em sua formulação. Sobre o tabelamento das sacolas e caixas, afirmou que se trata de uma “preocupação social com as pequenas empresas que n&at



Comunicar erro nesta notícia

Se você encontrou erro nesta notícia, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente ao Sorocaba Fácil.


Enviar esta notícia por email