Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017

Casa e Construção

>

Qual a melhor estrutura?

Qual a melhor estrutura?

O material que será utilizado na estrutura e fechamento da construção deve ser definido ainda durante o projeto arquitetônico, pois um bom planejamento gera redução de custos, evita desperdício de materiais e ainda permite que o cálculo estrutural seja bem dimensionado.

Além disso, as especificações para casas estruturadas com a ajuda de vigas e pilares (de madeira, aço ou concreto) são totalmente diferentes dos modelos erguidos com paredes estruturais. No primeiro caso, o menor peso das paredes (os blocos vasados não são preenchidos com concreto) acarreta alívio de cargas nas fundações, que vão gerar considerável economia de materiais, como aço e concreto. Já o sistema construtivo que utiliza alvenaria estrutural exclui a necessidade dos pilares e vigas, tornando a obra mais rápida e mais econômica.

De qualquer forma, as paredes têm função primordial em qualquer projeto, já que proporcionam a proteção termoacústica dos ambientes, delimitam espaços e recebem as instalações elétricas e hidráulicas. Porém, cabe ao responsável pela obra (arquiteto ou engenheiro) optar pelo produto mais adequado para cada caso.

Atenção no momento da escolha
Antes de se tomar uma decisão, é importante avaliar a largura e o comprimento das paredes, as características e as funções de cada material e, principalmente, se ele é encontrado facilmente na região. As tradicionais paredes de alvenaria podem ser construídas com tijolos de barro, blocos cerâmicos ou de concreto. Há ainda as paredes de drywall e as placas delgadas de concreto, mas que tem apenas a função de vedação, pois não suportam as cargas da edificação.

Aplicações e material de fabricação não resumem as diferenças entre tijolos de barro, blocos cerâmicos e blocos de concreto. Cada produto, por exemplo, possui mais de um modelo com dimensões variadas, o que interfere ainda no cálculo do seu rendimento. Além disso, outros fatores como consumo de argamassa, materiais utilizados para revesti-los, custo e durabilidade podem variar bastante de uma escolha para outra. A durabilidade dependerá muito da qualidade de cada material, que varia de acordo com o fabricante escolhido. Existem blocos de concreto de alta qualidade cuja durabilidade é superior ao tijolo maciço e, por outro lado, há tijolos de barro com durabilidade superior aos blocos de concreto de baixa qualidade. Em geral, quando revestidos, ambos têm boa qualidade e resistência, pois quem as define é, praticamente, o revestimento.

OS PRÓS E CONTRAS dos diversos tipos de materiais e modelos devem ser levados em conta na hora da escolha. Com alguns deles você terá prazos de obra mais longos, mas, em contrapartida, ganhar em conforto termoacústico. Com outros pode economizar em argamassa e mão-de-obra, mas gastar mais com as estruturas.

Blocos de concreto
Em sua confecção, o concreto é preparado e colocado em uma forma. A seguir, passa por uma máquina vibroprensa (um equipamento de vibração e prensagem). A cura é feita em câmaras a vapor, processo que evita a formação de fissuras. No momento da compra é indicado procurar empresas com selo de qualidade. O site da Associação Brasileira de Cimento Portland possui uma lista de empresas que têm esse selo, que só é concedido para produtos que seguem as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Essas peças geralmente têm dimensões mais precisas, o que permite maior produtividade da mão-de-obra e economia no revestimento, pois este pode ser aplicado diretamente sobre o bloco com boa aderência e precisão. Além disso, há um menor consumo de argamassa de assentamento em relação aos blocos cerâmicos e menos perdas de peças durante a construção.

Principais características
O produto ainda permite embutir o encanamento sem quebras e furos, um considerável conforto acústico e menor propagação do fogo em incêndios

Entretanto, trata-se de um produto de difícil manuseio (em média 40% mais pesado que aos modelos cerâmicos) e que não tem a boa resposta térmica, esfriando no inverno e esquentando muito no verão.

É usado para preencher espaços, vedar e, combinados com aço, como estrutura em qualquer construção. Neste caso o elemento é autoportante, ou seja, podem suportar o peso de toda construção sem a necessidade de vigas e pilares. Porém, esse sistema apresenta como desvantagem a limitação nos vãos das paredes e as restrições em caso de reforma, pois os blocos não podem ser "rasgados" para instalação de novas tubulações ou fiações ou mesmo para criação de novas passagens sem que haja a criação de um novo tipo de estrutura de sustentação para a área.

Podem ser usados ainda para a execução de muros de arrimo e piscinas, por exemplo.

Os blocos de concreto, normalmente têm rendimento de 12,5 peças por m² e podem ficar aparentes. Além disso, não é preciso contar com mão-de-obra especializada para sua execução, mas é recomendável revestir as paredes que separam interior e exterior, com uma tinta látex de qualquer cor.

OS BLOCOS DE CONCRETO tem como vantagem a economia no revestimento, pois este pode ser aplicado diretamente sobre a peça, com boa aderência e precisão, proporcionando um menor consumo de argamassa de assentamento em relação aos blocos cerâmicos.

Blocos cerâmicos
Fabricados com cerâmica vermelha cujas propriedades físicas são obtidas após a queima da argila em uma temperatura de 850ºC, devem seguir a NBR 15270, da ABNT, o que garante a utilização de peças de qualidade.

O item tem maior produtividade na mão-de-obra, menor consumo de argamassa de assentamento e revestimento se comparada ao tijolo. Consome cerca de 12,5 blocos por m² de parede, enquanto que para mesma dimensão de tijolos o consumo é bem maior, cerca de 70 unidades. Em relação aos blocos de concreto, a produtividade é também maior, pois as peças cerâmicas são 40% mais leves.

Elas oferecem ainda excelente conforto termoacústico e boa impermeabilização, pois seus coefi- cientes de absorção são menores do que os de concreto, ou seja, absorvem menos água.

Aplicação
Quanto a aplicação, também podem ser utilizados para alvenaria estrutural e de vedação em qualquer tipo de obra.

O produto é fácil de aplicar, mas a mão-de-obra deve conhecer e dominar os princípios bá

Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2017, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.