Domingo, 22 de Julho de 2018

Esporte e Lazer

>

CICLISMO NOTURNO: ESPORTE E LAZER PARA MORADORES DE GRANDES CIDADES

CICLISMO NOTURNO: ESPORTE E LAZER PARA MORADORES DE GRANDES CIDADES

 

 

Com o aumento do número de carros e motocicletas nas grandes cidades, os ciclistas perderam espaço e o esporte acabou virando atividade de fim-de-semana. O ciclismo ficou restrito aos parques urbanos e pequenas cidades do interior, onde o trânsito é calmo e o risco de acidentes graves é menor.

A falta de espaço para o ciclismo não é exclusividade do Brasil. Mesmo em países onde a bicicleta sempre foi o meio de transporte mais popular, como na China, os automóveis tomaram conta das ruas e levaram fabricantes e bicicletarias à falência. Só em Pequim são mil carros novos por dia nas ruas.

Foi da frustração de não poder usar espaços urbanos convencionais no Brasil, que um grupo de ciclistas resolveu praticar o esporte à noite, quando a quantidade de veículos nas ruas diminui consideravelmente. O primeiro grupo a praticar oficialmente o ciclismo noturno foi o chamado "Night Bikers", criado no final dos anos 80 em São Paulo.

Atualmente existem grupos similares em quase todas as grandes cidades brasileiras. Todos formados por apaixonados pelo esporte, que esperam a noite cair para sair de casa pedalando com os amigos.

Lugares inusitados

Com normas rígidas de segurança e um grande número de participantes, os ciclistas noturnos percorrem zonas urbanas surpreendentes. Enquanto praticam seu esporte preferido, os atletas ainda podem desfrutar de paisagens incríveis e conhecer um pouco mais sobre sua própria cidade.

Alguns passeios incluem áreas industriais abandonadas e desertas, ao longo de linhas ferroviárias. É o caso do roteiro das "catacumbas", dos Night Bikers de São Paulo. Inspirado nos cenários underground de filmes norte-americanos, os ciclistas percorrem a região da Lapa, com túneis escuros e assustadores sob a linha do trem.

Outros grupos promovem ainda passeios por charmosos centros históricos - intransitáveis durante o dia e completamente vazios durante a noite. Pedalar por estes trajetos por conta própria é uma tarefa perigosa. Mas, como os circuitos são percorridos em grupo, a segurança é muito maior.

Normas de segurança

Na maioria dos grupos, o uso do capacete é obrigatório. Pequenas quedas podem provocar lesões irreparáveis no sistema nervoso, caso a cabeça seja atingida. Recomenda-se também usar luvas e roupas próprias para o ciclismo. É importante fazer revisões periódicas nas bicicletas, uma vez que o risco de acidentes é grande, caso haja qualquer problema nos freios, nas rodas, no quadro e nas regulagens. Os grupos também estabelecem regras básicas para os passeios.

Os ciclistas devem respeitar os guias da equipe, assim como a sinalização do trânsito. O ritmo do grupo deve ser seguido: é proibido ultrapassar o líder. Outra recomendação é pedalar sempre pela direita, como fazem carros e motocicletas. Em cada cidade, os grupos oferecem passeios fixos semanais.

O horário, o ponto de encontro e o circuito são sempre os mesmos. Para não cair na mesmice, passeios alternativos são feitos várias vezes por ano. Alguns, inclusive, ocorrem em cidades vizinhas e são voltados para ciclistas mais experientes. Para quem está começando, é importante respeitar o próprio limite e não cometer excessos, dando preferência a circuitos mais curtos e leves

 

Fonte: Web Artigos 



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.