Quinta-Feira, 21 de Novembro de 2019

Denise Corrêa

Graduada em Comunicação Social pela Universidade de São Paulo, pós-graduada em Psicopedagogia.

Ver todas as colunas

Bullying: dando um basta nesta história



A volta às aulas está se aproximando e, com ela, novas histórias chegam, contadas pelos pais ou pelas próprias crianças. Histórias que incomodam, histórias que assustam, histórias que revoltam; e essas histórias começam sempre com a dúvida: “Não sei o que está acontecendo com a Aninha, ela não quer ir à escola”. Ou, “O Pedro tem febre toda noite; ele estuda no período da manhã, em casa – na parte da tarde – ele fica bem e, à noite, a febre retorna. Já levei ao médico e ele não achou nada. Será que é uma virose?”.

Bem, certamente não é uma virose o que o Pedro tem. E a Aninha, aquela Aninha que não quer ir à escola, mas sempre gostou de estudar, ela não está com “implicância” com a escola e também não é culpa da professora. É medo. A Aninha e o Pedro estão com medo. Medo daquela palavrinha diferente: bullying. Que traz, com ela, uma grande carga de agressividade, psicológica ou verbal, repetitiva, intencional e constante; que dói, machuca e está se tornando comum no ambiente escolar em todo o mundo.

Atenção. É essa a palavrinha que não permitirá que o bullying cresça. Ao menor sinal de comportamento diferente do agressor ou do agredido, a atenção e o cuidado precisam entrar em ação.

Brincadeiras, atividades e cartazes poderão ser preparados para esclarecer e preparar as crianças para o significado do bullying e como evitá-lo.

O mundo é grande e as escolas também. E há diversas crianças com um modo de viver, ser e aprender infinito, basta haver propostas e pensamentos livres de preconceito.

Todos nós somos, indiretamente, responsáveis pela construção ou destruição do outro, pois é durante o contato e a convivência com o outro que temos a oportunidade de trocar experiência e de ensinar ou aprender.

Nossas crianças estão chegando.

Nossas crianças estão voltando.

E, com elas, todas as diferenças e diversidade; então, ATENÇÃO!

E lembre-se sempre: “Tudo o que elas precisam é de amor”.

Denise Corrêa - Psicopedagoga e Tutora Educacional
Graduada em Comunicação Social pela Universidade de São Paulo, pós-graduada em Psicopedagogia.

Fone e Whatsapp: (11) 99464-3749










Imóveis em Sorocaba

Apartamentos

Áreas Industriais

Casas

Chácaras

Comercial

Condominios

Fazendas

Haras

Sítios

Terrenos

Anuncie seu Imóvel

O mercado de Aluguel de louças e acessórios aumentou (e ficou ainda mais qualificado) de uns anos para cá. Um exemplo? Outro dia estava organizando uma lista de peças que precisariam ser alugadas (Aluguel de louças para festas) para um festa

Quando se pensa na realização de um evento social, seja ele uma festa familiar ou uma recepção empresarial,Aluguel de louças, a preocupação com a aquisição dos pratos, talheres e outros equipamentos a serem usados é grande. Além de consumir bastante tempo, o custo e a logística de obtenção dos mesmos é significativa.

O mercado de Aluguel de louças em São Paulo aumentou (e ficou ainda mais qualificado) de uns anos para cá. Um exemplo? Outro dia estava organizando uma lista de materiais que precisariam ser alugadas (Aluguel de louças para festas em São Paulo) para um festa

O Emprestimo para aposentado.

O BMG Emprestimo.



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.